ENTRETENIMENTO A SERVIÇO DA EDUCAÇÃO E DA ESPIRITUALIDADE

MÁRCIA D’HAESE

FOTOMARCIADHAESE

ENTREVISTA

Por Fernando Passarelli

 Qualquer pessoa que decida escrever ou falar sobre entretenimento de conteúdo, no Brasil, precisa passar pelo nome dela. A arte cristã era muito chata antes das criações de Márcia d’Haese. Foi uma revolução quando Smilingüido, a formiga, surgiu em historinhas, marcadores de página e cartões bíblicos. Era a década de 80 e na maioria das Igrejas não havia material didático atrativo. Até então, as crianças colecionavam postais de versículos com fotografias de paisagens ou animais.

MARCIAARTESO flanelógrafo era o recurso visual mais moderno! Não havia desenho animado, histórias em quadrinhos ou personagens infantis que falassem do amor de Deus. Quando apareceu o Smilingüido foi um sucesso. O carro-chefe do trabalho de Márcia, agora, é a Turma Mig e Meg. Um time de personagens que já está em quadrinhos, DVDs, cantatas, Bíblias e outros produtos. E Márcia não fala só para crianças. Ela já flagrou adultos lendo os gibis da Mig e Meg, sem vergonha alguma, como conta a seguir.

 

DEUS NO GIBI – Você lia histórias em quadrinhos quando era criança?

MÁRCIA D’HAESE – Lia sim. Meu pai sempre trazia um gibi quando voltava do trabalho. Ele trazia um de super-herói pra ele, um infantil pra mim e outro pro meu irmão. Colecionei o Almanaque Disney desde o numero 1. Lí muito o Pato Donald, Mickey, Tio Patinhas… depois quando Maurício de Sousa lançou Mônica e Cebolinha, na Folhinha de São Paulo, não deixávamos de comprar o jornal todos os domingos.

DEUS NO GIBI – Como foi a infância na Igreja?

MÁRCIA D’HAESE – Domingo era um dia cheio de historinhas legais, na igreja, e em casa… isso nunca foi problema pra mim, o contato simultâneo com as histórias bíblicas na igreja e com as historias nos gibi daquela época. Pelo contrário, minha infância foi povoada de brincadeiras, cores, personagens, bonequinhos. Aliás, o interesse por histórias me fez ler a Bíblia… a Sagrada, oficial, para adultos… com enorme interesse. Foi assim que me converti, lendo a Bíblia. E logo comecei a desenhar personagens bíblicos!

DEUS NO GIBI – Tinha alguma história em quadrinhos cristã, na sua infância?

MÁRCIA D’HAESE – Apenas uma revistinha por assinatura: “Nosso Amiguinho”. A Escola Dominical, muito forte na Igreja Presbiteriana, onde cresci conhecendo o evangelho, usava histórias bíblicas ilustradas com flanelógrafo. E muitas vezes, no cultinho, um presbítero passava para as crianças um filme mudo do Mickey, naquelas máquinas projetoras antigas. Tia Esther, de outra igreja, contava histórias também, cheia de músicas e desenhos. O esposo dela era pastor desenhista e os filhos eram músicos e faziam a sonoplastia. Mais tarde ela publicou algumas revistas pela Redijo. Tinha também a Romilda, que gravava algumas fitas K7 e usava ilustrações.

DEUS NO GIBI – Você falou do flanelógrafo, e ainda existem Igrejas no Brasil que dão aulas para crianças usando esse recurso, com personagens recortados de cartolina, para ilustrar as lições. Ficaria tão caro investir em quadrinhos e livros de história para esses alunos?

MÁRCIA D’HAESE – Eu acho o máximo, o flanelógrafo! Que criança não gosta de pegar aquelas figuras e grudar na flanela e brincar de historinhas? Se você fotografar uma história num flanelógrafo, nas diversas etapas, e montar passo-a-passo, num powerpoint, você terá uma história em quadrinhos – não impressa, mas no monitor do teu computador. Não acho que precisamos substituir o flanelógrafo pelos quadrinhos, mas pensar em usar imagens de personagens mais a ver com nossa época, cenários e figuras mais próximas da nossa linguagem, incluir os personagens que temos aqui no Brasil para enriquecer o universo comunicativo entre professores e alunos. Até mesmo desenvolver nos alunos um senso crítico com relação aos quadrinhos seculares, analisando onde combinam ou não com o que a Bíblia propõe pra nossa vida. Como ela mesmo diz, “examinar de tudo e reter o que é bom“.

DEUS NO GIBI – Que vantagens existem nos quadrinhos, como recurso pedagógico?

MÁRCIA D’HAESE – Os quadrinhos permitem uma assimilação do conteúdo com base na comunicação visual, dando um impacto imediato, estimulando a reação emocional junto com a racional. E isso fica na memória, e é assimilado melhor do que o uso do discurso verbal apenas. Não há como não reagir ao que se vê, ao que está diante dos olhos. Quando os elementos de quadrinhos cooperam para enfatizar a informação, isso é mais eficaz ainda. Por exemplo, quando se fala em susto e o quadrinho, além da expressão de susto do personagem desenhado, também apresenta outros elementos integrados com a emoção – linhas, traços, cores, invasões do espaço do quadrinho – a ideia de susto é maior, e imediata.

MARCIAMIGMEG02

DEUS NO GIBI – Acredito que  se você tivesse lançado seus personagens no exterior, numa cultura onde existe a indústria do entretenimento, certamente já teria desenvolvido um “pequeno império”, mesmo no meio cristão. No Brasil ainda falta profissionalismo nesse setor ou falta apoio das Igrejas, absorvendo mais material aqui produzido?

MÁRCIA D’HAESE – Será? Estou muito no Brasil ainda… vou pedir ajuda ao Hialmar, o meu esposo e chefe… o editor, pra concordar se realmente teríamos desenvolvido um império no exterior… e se os cristãos europeus, por exemplo, acolheriam meus personagens. Tenho impressão de que meus personagens tem olhos grandes demais para a seriedade dos britânicos e germânicos… talvez os latinos gostassem mais… Mas falando sério, pelo que sei desse universo dos quadrinhos, muitos desenhistas e roteiristas brasileiros fazem seus trabalhos para o exterior mesmo.

HIALMAR D’HAESE – Acho que faltam as duas coisas. De fato eu tenho a impressão que, se tivéssemos lançado no exterior, teríamos uma maior envergadura… não gosto da expressão “pequeno império” porque não estamos montando isto, mas visando um ministério… e o tamanho dele é mais com Deus do que conosco… Em geral gasta-se muito pouco com a educação das crianças, bem, bem menos que lá fora. Por exemplo, na Inglaterra toda criança tem em média uma biblioteca de 200 livros quando tem 10 anos de idade. Países mais pobres, com muitas crianças, gastam menos ainda. Eu fiz uma pesquisa numa Bienal do livro e a conclusão foi que os adultos se dispõem a gastar com as crianças apenas a metade do que com eles mesmos. Assim, o adulto está disposto a gastar R$ 30 para um CD ou livro para si e apenas R$ 15 quando é para os filhos. Soma-se a isto que, em geral, livros e CD para crianças são mais caros de produzir, porque envolvem mais cores, ilustrações etc, e o dilema está montado. Quem no Brasil vende bem para as crianças vende bem baratinho, produto de até R$ 10 e para isto sacrifica o que puder, começando pelo conteúdo.

MÁRCIA D’HAESE – Quanto ao Brasil, acredito que a aceitação de personagens cresceu muito nos últimos 20 anos. Eu me sinto uma das pessoas que colaborou para isso, pois trabalhamos com personagens há 30 anos, e antes de nós só havia “Nosso Amiguinho” e alguma coisa importada. As igrejas estão usando produtos ilustrados com esses personagens para transmitir a mensagem cristã, seja para crianças, seja para adultos, mas o veículo que preferem ainda não é um gibi. Eles preferem cartões, CDs, cartazes para enfeitar as classes das crianças. Cadernos e agendas para anotar as suas meditações, e programações.

MARCIAPATI02

 

DEUS NO GIBI – Você já assina tiras para um público infantil, com Mig e Meg, e adolescente, com a Pati. Já pensou em quadrinhos para adultos?

MÁRCIA D’HAESE – Já vi muitos adultos lendo os nossos gibis e gostando… Mafalda é pra que faixa etária? Calvin? Garfield? Asterix? Você já leu algum?

DEUS NO GIBI – Todos esses.

MÁRCIA D’HAESE – Gostou?

DEUS NO GIBI – Ainda gosto.

MÁRCIA D’HAESE – Quantos anos você tem?

DEUS NO GIBI – Ih, pergunta chata… Mas a entrevistada é você!!!

MÁRCIA D’HAESE – Ops, estou aqui pra responder, né?

DEUS NO GIBI – Quais as referências que você tem para o enredo das histórias dos seus personagens?

MÁRCIA D’HAESE – As relações entre os valores que percebemos na Bíblia e as características de personalidade dos personagens, o que acontece socialmente, espiritualmente, e o que penso e sinto a respeito das circunstâncias ao redor. E mais do que isso o David, nosso roteirista principal, pode dizer.

DAVID ARAÚJO – Bom, acho que tudo entra como referência. Mas quando escrevo para quadrinhos as principais são, sem dúvida, Peanuts, Mafalda e, meu predileto entre os prediletos, Calvin e Haroldo. Na verdade, estas três tiras tem o humor necessário ao mesmo tempo que trazem uma crítica forte ao próprio ambiente em que estão inseridos – autocrítica que acho que, muitas vezes, falta a nós, cristãos. Mas tem muita coisa “por fora” que também é referência. Algumas histórias da Turma da Mônica, por exemplo, tem um ritmo excelente, daqueles que dá pra admirar. Laerte, com seu “Deus” é alguma coisa para pensar. Livros também são uma referência forte, assim como a TV e o cinema… vou na contra-mão e acho que, em média, os desenhos animados de hoje são infinitamente superiores, quando consideramos o roteiro, aos da minha infância. Nos Simpsons há pelo menos três episódios que deveriam ser obrigatórios nas Igrejas. Mas acho que a principal referência é, sem dúvida, o dia-a-dia.

DEUS NO GIBI – Márcia, que autores de quadrinhos você lê e indica?

MÁRCIA D’HAESE – Brasileiros: o Maurício de Sousa com a turma da Mônica tem muita coisa interessante e culturalmente brasileira. Gosto muito do Chico Bento e também do Horácio. Para mim, o autor mais consagrado é o Ziraldo. Eu sei que a obra desses dois autores não têm relação com a fé cristã, exceto para “rir” quando se aborda o assunto. Mas não posso deixar de valorizar, especialmente no Ziraldo, seu valor comunicativo, artístico e cultural, com uma proposta gráfica e temática muito rica e simples, em suas histórias em tiras, quadrinhos e especialmente em livros. Ah, o David Araújo também. Ele escreveu histórias incríveis, desde os nossos tempos de Smilingüido. Entre os internacionais: Bill Watterson, de Calvin e Haroldo; Quino, de Mafalda; Schultz, de Charlie Brown e Snoopy; Uderzo e Gocinny, da série Asterix.

DEUS NO GIBI – Para finalizar, que super-poder você acha que falta aos líderes religiosos de hoje?

MÁRCIA D’HAESE – A coragem de sair da zona de conforto, para exercer missão em relacionamentos humanos e verdadeiros do lado de fora das portas de suas igrejas. Mas isso só Jesus pode conceder, não se faz quimicamente.

Quem quiser saber mais da Márcia pode acessar o www.migmeg.com.br

 

Baixar em PDF