ENTRETENIMENTO A SERVIÇO DA EDUCAÇÃO E DA ESPIRITUALIDADE

O HOMEM QUE PERDEU A HUMANIDADE

kpadstkwolverine
WOLVERINE

Amanhece e o sol brilha no horizonte. Os animais que se abrigavam nas cavernas e entre as árvores começam a surgir. Escondida na vegetação, lá está a criatura. Meio homem, meio fera. Uma mistura dos dois. Tem o corpo coberto de pelos, molhado pelo orvalho. Supera rapidamente a dormência. Range os dentes, está faminto. De seu braço parte algo afiado, que se assemelha às longas unhas das aves. Arma cortante, de defesa ou ataque. Desde que foi tirado do mundo racional, a criatura não conseguiu voltar. No fundo de sua consciência – no pouco que lhe sobra dela – sabe que irá se recuperar brevemente. Será normal de novo, pelo menos aparentemente, e caminhará entre os homens.

Sabe de onde vem essa descrição? Ou tem alguma ideia de quem seja o personagem? Selvagem, vivendo como um animal e com algo afiado saindo da mão. Tem dúvida de que se trata de Logan, codinome Wolverine?

Ex-agente secreto do governo canadense, cobaia na experiência de construção de uma perfeita máquina de combate. Dono de um fator de cura que o torna quase indestrutível, um mutante que luta diariamente contra seu maior inimigo – o próprio lado animal, que ameaça vir à tona a qualquer momento.

Se você acha que o texto do início fala de Wolverine, então o mutante foi parar de alguma forma misteriosa nas páginas do Velho Testamento da Bíblia. Porque a descrição está no livro do profeta Daniel, escrito aproximadamente 537 anos antes de Cristo.

wolverine1Porém, se Logan não é tão velho assim, de quem essa narrativa fala?
Começando do início.

Era uma vez um rei, que vivia tranqüilo e feliz no seu palácio.

Um dia ele teve um sonho, que o assustou muito. Por isso, escreveu um decreto obrigando que todos os sábios e interpretadores de visões fossem até ele, para decifrar o significado daquilo.

No sonho, o rei viu uma árvore muito alta, plantada no meio da terra. Ela crescia até o céu e podia ser vista de muito longe. A árvore era muito bonita e dava sustento para vários animais. Então, do céu desceu um ser que dizia que a árvore precisava ser derrubada, os galhos cortados, os frutos espalhados e os bichos afugentados. Sobraria apenas um tronco, com raízes, preso no campo com correntes de ferro e bronze. Esse tronco seria, então, molhado pelo orvalho do céu e dividiria sua vida com os animais. O ser celestial disse que a árvore seria muda, para que não tivesse mais um coração de homem e ganhasse um coração de um animal, durante sete tempos.

Este era o sonho que ninguém conseguia interpretar. Até que chegou a vez de um jovem criado na corte do rei, que não aceitava adorar outros deuses senão Aquele Deus que havia conhecido na sua infância.

Diz a história que o jovem ficou atônito por uma hora, até que alcançou a interpretação:

– A árvore que cresceu e se fez forte, cuja altura chegava até o céu e que foi vista por toda a terra, cujas folhas eram formosas, e o fruto abundante, e que a todos dava sustento, debaixo da qual moravam os animais do campo, é você, majestade.

O rei ouviu a interpretação com assombro.

– Ó rei, você cresceu e se fez forte, a tua grandeza cresceu, e chegou até o céu, e o teu domínio até os fins da terra. Quanto ao ser que você viu descer do céu e mandar cortar a árvore, deixando o tronco com as suas raízes na terra, preso com cadeias de ferro e bronze ao campo, ao lado da erva, molhado de orvalho do céu, essa é a interpretação: isso é o que vai acontecer com você! Você será tirado do meio dos homens, e a sua casa será com os animais do campo. Você terá que pastar como se fosse um animal, e será molhado pelo orvalho do céu durante sete períodos de tempo, até que aprenda que o Deus Altíssimo tem domínio sobre os homens e faz tudo conforme a vontade dEle.

Então, aquele texto do começo do texto é sobre o cumprimento dessa visão, na vida do rei Nabucodonosor. A Bíblia conta que exatamente um ano após a interpretação do sonho, quando talvez já tivesse esquecido do que ia acontecer, o rei gabava-se do império que comandava:

– Não é esta a grande Babilônia que eu edifiquei para a casa real, com a força do meu poder, e para glória da minha magnificência?

Quanta arrogância!

Lembra muito uma frase conhecida de Wolverine. Nas histórias em quadrinhos, ele frequentemente diz: “Meu nome é Logan, eu sou o melhor naquilo que eu faço, e o que eu faço não é nada agradável”.

No caso de Nabucodonosor, ele mal completou a frase e a profecia se cumpriu. O rei se tornou uma fera humana.

wolverine4Na mesma hora se cumpriu a palavra sobre Nabucodonosor, e foi tirado dentre os homens, e comia erva como os bois, e o seu corpo foi molhado do orvalho do céu, até que lhe cresceu pelo, como as penas da águia, e as suas unhas como as das aves. (Daniel 4:33)

Mesmo sendo rei, era impossível conviver com ele naquele estado. Nabucodonosor foi retirado do meio dos homens e passou a viver solto no campo, tamanha sua agressividade.

Por sete períodos, o rei viveu como um ser bestial. Como Wolverine em seu momento mais animalesco, Nabucodonosor foi privado de humanidade. A Bíblia diz: “a mente humana lhe foi tirada”.

Até que, um dia, o rei voltou ao normal. Como se o gene “X”, que provoca a mutação, tivesse simplesmente sido anulado.

É o próprio rei Nabucodonosor quem narra isso:

– Mas ao fim daqueles dias eu, Nabucodonosor, levantei os meus olhos ao céu, e tornou-me a vir o entendimento, e eu bendisse o Deus Altíssimo, e louvei e glorifiquei ao que vive para sempre, cujo domínio é eterno, e cujo reino é de geração em geração. No mesmo tempo tornou a mim o meu entendimento, e tornou-me a vir a minha majestade e o meu resplendor; e buscaram-me os meus conselheiros e os meus senhores; e fui restabelecido no meu reino, e a minha glória foi aumentada.

Não sobrou um traço daquela vida selvagem. Era um homem novo, renascido, recuperado.

E se tivesse ouvido o alerta de Daniel, e mudasse seu comportamento arrogante, sequer teria experimentado os dias de fera humana:

– Ó rei, aceita o meu conselho, e põe fim aos teus pecados, pratique a justiça e tenha misericórdia com os pobres, para que não te venha nenhum mal.

O rei não se manteve atento ao aviso. Foi preciso que ele passasse pelo pior, para compreender que Deus pode humilhar os que andam de forma soberba.

Que essa história seja um alerta pra todos nós, pra vivermos atentos ao nosso comportamento – e para evitarmos sofrimentos desnecessários. Temos escutado a voz do Espírito Santo falando ao nosso coração? Ou preferimos passar pela dor e sofrimento, antes de reconhecermos a grandiosidade de Deus? Se isso acontecer, faça como o rei Nabucodonosor. Ajoelhe, reconheça o seu erro. E creia que o “fator de cura” divino, que nos recupera e vivifica nossas vidas, irá agir.

Baixar em PDF