ENTRETENIMENTO A SERVIÇO DA EDUCAÇÃO E DA ESPIRITUALIDADE

FERNANDO GONSALES

ENTREVISTA

FOTOENTREVISTAGONSALES
Por Fernando Passarelli

Quando Fernando Gonsales venceu um concurso de quadrinhos do jornal “Folha de S. Paulo”, em 1986, o mercado de pet-shops não era tão grande no Brasil. Ainda bem, senão o veterinário e biólogo teria um dilema muito maior a resolver: trocar uma promissora carreira cuidando de animais de verdade por outra, criando animais de desenho… sim ou não? Foi uma decisão acertada – pelo menos para os leitores de quadrinhos, que ganharam um universo de personagens e piadas. Muito disso, é verdade, falando do mundo animal. Por isso as tiras dele são presença constante nas provas de vestibular – principalmente na área de biológicas. Na entrevista a seguir ele fala porque nunca publicou nada a respeito de política ou de qualquer temática social. Confira:

DEUS NO GIBI – Nesse tempo todo desenhando as tiras, o que mudou no seu processo criativo?
FERNANDO GONSALES – Ainda é um pouco misterioso para mim o ato de bolar tiras. Não existe nenhum método milagroso ou infalível. Mas com o tempo a gente pega algumas mancadas. Acho que, no final, o processo é um pouco mais estável que no começo.

DEUS NO GIBI –Essa “explosão” recente do mercado de quadrinhos brasileiro, com novas editoras e autores, tem ajudado os profissionais mais antigos, como você?
FERNANDO GONSALES – Certamente uma onda de quadrinhos é sempre bom para todos os autores. Apesar de haver uma certa concorrência, no fim abre mais espaço para todo mundo.

NIQUEL1

DEUS NO GIBI – O seu conhecimento como veterinário ajuda muito na hora de criar as piadas para as tiras de animais? Ou o conhecimento como desenhista e leitor de quadrinhos é mais útil?
FERNANDO GONSALES – Ser veterinário ajuda nos textos, mas para escrever sobre animais não precisa tanto. Basta gostar do assunto. Certamente a prática como desenhista ajudou mais.

DEUS NO GIBI – Você tem contato com professores ou educadores, que falam sobre o uso de suas histórias em sala de aula?
FERNANDO GONSALES – Muitas vezes me falam disso. Acho bem legal ver meu trabalho ser utilizado desta maneira

DEUS NO GIBI – Muitas das suas tiras tem uma temática bíblica, envolvem personagens e passagens conhecidas das escrituras. Você tem alguma formação cristã ?
FERNANDO GONSALES – Bem, nasci em uma família católica, então conheço alguma coisa sobre as escrituras. Mas mesmo quem não é cristão acaba conhecendo também. Atualmente não sigo esta linha religiosa.

NIQUEL4

DEUS NO GIBI – Você já teve problemas com algum leitor que não tenha gostado de alguma dessas tiras “religiosas”?
FERNANDO GONSALES – Nunca tive conhecimento disso. Espero que todos entendam o caráter humorístico da abordagem destes temas.

DEUS NO GIBI – Apesar de tanto tempo no mercado de tiras, você não publicou nenhum trabalho com cunho social. Gostaria de fazer uma página editorial, por exemplo, tratando de política?
FERNANDO GONSALES – Realmente não tenho vontade de abordar esses temas. Nem sei exatamente porquê. As poucas vezes que me aventurei por esse caminho,verifiquei que não me saio muito bem.

NIQUEL3

DEUS NO GIBI – Que conselho daria para quem ainda é amador e tem o desejo de se profissionalizar desenhando tiras e quadrinhos?
FERNANDO GONSALES – Em primeiro lugar, desenhem e escrevam pelo prazer de fazer isso, sem pensar em profissionalização. Com o tempo e a quantidade de trabalho feito as coisas acabam por acontecer. Mas se for desenhar só pensando em publicar, a coisa pode ser decepcionante, pois o mercado é um pouco limitado. A Internet hoje é um bom meio de ir mostrando as coisas antes de se profissionalizar. E depois também.

DEUS NO GIBI – Por último, se pudesse ter um super-poder, desses que os heróis dos quadrinhos possuem, qual escolheria?
FERNANDO GONSALES – Apenas voar seria ótimo. Se fosse com invisibilidade, seria melhor ainda.

NIQUEL2

 

Para conhecer mais a obra de Fernando Gonsales visite:
http://www2.uol.com.br/niquel/

Baixar em PDF