ENTRETENIMENTO A SERVIÇO DA EDUCAÇÃO E DA ESPIRITUALIDADE

SOMOS TODOS MUTANTES

KPADSTKXMEN
X-MEN

Os X-Men foram criados nos anos 1960 por Stan Lee e Jack Kirby, pais de dezenas de personagens da Marvel. A intenção era fugir do esteriótipo dos heróis que agradavam as multidões, pelo padrão de beleza e de comportamento. Nas histórias dos X-Men, os personagens principais são mutantes. Eles podem ser o próximo passo da evolução humana e vivem com anormalidades, geralmente à margem da sociedade.

A luta desses X-Men não é para que sejam corrigidas suas imperfeições, mas para que sejam aceitos como são. Para defender isso, se confrontam com outros mutantes (que não defendem a convivência pacífica com a humanidade) e com governos (que querem utilizá-los para diversos fins).

E onde será que os cristãos se encaixam nesse universo de mutantes e humanos?

XMEN4Se os X-Men são seres ‘diferentes’, que buscam aceitação sem perder suas características… os cristãos estão aqui. A Escritura Sagrada é bem clara ao dizer que aqueles que seguem a Jesus Cristo devem ser o sal da terra e a luz do mundo. Não podemos amar este mundo, nem as coisas que estão nele. Contudo, é aqui onde temos que cumprir nossa missão de influenciar as pessoas, para o bem.

Por mais imperfeita que seja a comunidade cristãs, como os X-Men, ainda assim ela é formada por pessoas alcançadas pelo amor de Deus. Seres raivosos, rancorosos, preconceituosos, inconsequentes, ingratos, violentos, imaturos. Esses e outros defeitos não faziam parte de nossa composição espiritual original (nem da composição divino-genética). Hoje existem dentro de nós, e só serão eliminados – ou amenizados – pela Graça de Deus.

Enquanto isso não acontece, enquanto o Salvador não retorna para nos buscar, somos todos mutantes, como Ciclope, Wolverine, Mística, Tempestade, Jean Grey, Professor Charles Xavier, etc.

Mas se a luta dos inimigos dos X-Men é pela vitória da raça mutante na disputa pelo comando do planeta… precisamos pensar.

A missão deixada por Cristo é imperativa, para o cumprimento do maior alvo espiritual – a propagação do evangelho (Marcos 16: 15). Cabe ao cristão mudar o planeta para melhor. Mas quando os inimigos dos X-Men se referem aos seres humanos “normais” como obsoletos, ultrapassados ou inferiores, fica claro que só têm ódio, desejo de vingança e preconceito. Isso é errado, não concorda?

A questão é: como é que um cristão se relaciona com pessoas que não seguem a mesma doutrina religiosa? E com aqueles que não creem em Deus? E com os homossexuais e outros grupos que sofrem preconceito por parte da ‘Igreja’?

Será que o desejo de alguns não é o mesmo dos inimigos dos X-Men, de acabar com todos esses grupos, de não vê-los mais na face da Terra?

Exterminar aqueles que não concordam com a mensagem do evangelho é a solução? Ignorá-los é a solução? Se Cristo, revestido de toda a glória, se doou por TODOS, não abrindo a boca (Isaías 53:7), porque alguém agiria de outra forma?

E quando o cristão for humilhado, por causa da suas convicções religiosas? Buscar a vingança ou esperar que Deus nos vingue não é a solução.

Como fazer, então? Ser ou não ser… mutante?

Mutantes, como nos quadrinhos, jamais seremos, pela falta do gene “x” em nossa composição. Mas um comportamento conforme pede a Bíblia, o cristão pode buscar a qualquer momento.

A real mutação é a transformação que somente Deus pode nos dar, a mutação do amor, para influenciar o mundo com bondade, paz e alegria, com fervor e perseverança diante das provações.

XMEN3

Baixar em PDF